05 mar

O primeiro passo para construir marcas coletivas nas centrais de negócios

Se o time de marketing não tem a persona definida, todo dinheiro aplicado em publicidade está sendo jogado no lixo!

A marca é a essência e a imagem que o consumidor tem de uma rede de cooperação. Ela é o elo entre as lojas da rede e o público, é o conjunto de valores com os quais as pessoas precisam se identificar. Mas os mesmos valores também precisam estar expressos nas lojas, nas fachadas, no atendimento, nos corredores, na exposição, no caixa, nas entregas e nos veículos.

Segundo o consultor da Redexpert, Adriano Dienstmann, as marcas coletivas das centrais de negócios são o principal patrimônio e forte instrumento de publicidade. Porém, só serão relevantes se tiverem personalidade e coerência entre o que as lojas entregarem e o que é prometido pelo marketing.

O primeiro passo para a construção de marcas coletivas nas centrais de negócios normalmente é negligenciado ou até ignorado. Trata-se da definição do público alvo, complementado pela persona – representada por um ou mais personagens (avatar), que deverá ser construído com incrível rigor nos detalhes. Para definição de hábitos, costumes, medos, frustrações e sonhos será necessário ir a campo para conhecer os clientes típicos das lojas que compõem a rede.

A persona passa por três fases antes de comprar os produtos e serviços ofertados pela rede de lojas:

  1. Tem um problema para resolver
  2. Estuda alternativas e soluções
  3. Decide pela compra do produto ou contratação do serviço

Além disso, a persona tem duas características distintas no processo de decisão, que podem ser:

  1. Decisor– que tem a autoridade sobre a compra ou contratação
  2. Influenciador – que analisa tecnicamente o produto ou serviço antes de recomendá-lo para o decisor

Ao longo da criação do plano de mídia, é necessário considerar e respeitar cada fase e as características da persona.

Mas qual impacto da negligência sobre esse tema?

Sem o engajamento correto com sua(s) persona(s), na hora da decisão de compra elas não entenderão a proposta de valor – value proposition – da rede, levando a decisão para o menor preço.

Se a área de marketing não tem personas bem definidas e jornadas de engajamento e compras, a rede está “rasgando dinheiro e rentabilidade”, pois os clientes e as equipes de vendas exigirão “preços e prazos” mais vantajosos, pois não percebem valor na marca coletiva da central de negócios.

Com base na descrição da persona, a equipe de marketing deverá criar um plano de comunicação que manterá a marca bem comunicada e posicionada.

(Publicado no boletim informativo n° 192)

Nenhum Comentário

Assuntos Relacionados