Mais que palestra, conteúdo.

Assim como o método da Redexpert – “Fazer o Básico Bem Feito” – nossas palestras com foco no desenvolvimento da gestão são objetivas e práticas. A experiência profissional do palestrante, apoiada na sua vivência prática e ilustrada por cases nacionais e internacionais, o habilita a traduzir ideias e conceitos para o nível gerencial, contribuindo para gerar novos insights na solução dos problemas organizacionais.

No formato In Company, as palestras são personalizadas visando a respeitar a cultura organizacional e adequar-se aos objetivos do evento e perfil do público-alvo.

Temas das Palestras

Gestão de Centrais de Negócios

Com o acirramento da concorrência, não dá mais para fechar as portas aos benefícios dos modelos colaborativos, como as centrais de negócios. Transformar a realidade do mundo dos negócios através da cooperação empresarial é desafiante e inovador. As redes associativas interorganizacionais são capazes de fortalecer as pequenas e médias empresas que utilizam os princípios da cooperação para competir, e assim, ganhar força.

1. O futuro das Centrais de Negócios - Uma nova organização empresarial

Objetivos: Apresentar uma metodologia para profissionalizar a gestão e aperfeiçoar o modelo de negócio visando aumentar a eficiência, a sustentabilidade e o crescimento da rede.

Justificativa: A experiência internacional e alguns cases de sucesso brasileiros indicam que é necessário evoluir para modelos de negócios coletivos mais complexos quando o número de participantes aumenta. As organizações administrativas de redes buscam aumentar a escala e a eficiência nas negociações com os fornecedores, desenvolvendo estratégias competitivas de longo prazo para a rede e aumentando a capacidade de agir em bloco. O desafio está em profissionalizar organizações onde os associados são, ao mesmo tempo, os dirigentes e aqueles que devem cumprir as normas aprovadas por eles mesmos. Como as relações nas redes e centrais de negócios são de interdependência, colaborativas e não hierarquizadas como nas sociedades mercantis, a conciliação dos interesses individuais e coletivos é uma tarefa para gestores neutros e profissionalmente muito bem preparados.

2. Estratégia para expansão das Redes e Centrais de Negócios

Objetivo: Apresentar uma metodologia com soluções práticas para desenvolver um plano de expansão para redes e centrais de negócios.

Justificativa: No mundo dos negócios tamanho é documento. Por isso, as redes e centrais de negócios necessitam desenvolver estratégias de crescimento visando manter sua atratividade perante fornecedores e associados; ampliar o poder de barganha e minimizar os custos operacionais.

 

3. Como profissionalizar as Redes e Centrais de Negócios

Objetivos: Oferecer subsídios para os associados avaliarem a necessidade de separar a governança da gestão, e apresentar um método para implantar a profissionalização comprometida com a eficiência operacional e a perenidade no longo prazo das Redes e Centrais de Negócios.

Justificativa: Um dos pontos principais associado ao conceito de rede de cooperação está em percebê-la como uma “nova” organização que se materializa através de uma central de negócios. Ela é uma prestadora de serviços que possui características específicas e únicas, pois possui objetivos, estratégias de longo prazo e método de gestão exclusivos, porém, interdependente das empresas associadas. O gerenciamento de arranjos produtivos horizontais complexos, com controle difuso, necessita de profissionais capazes de articular e gerenciar interesses, por vezes divergentes, para cooperar. Para evitar conflitos e sobreposições de funções, os mecanismos de governança devem definir os papéis dos gestores e associados, os sistemas de controle, as obrigações e os limites de atuação de cada agente.

4. Centrais de Negócios: vantagens, riscos e funcionamento

Objetivo: Apresentar os formatos, conceitos, motivações para cooperação empresarial, ganhos competitivos, fatores críticos de sucesso e os riscos que impactam na modelagem, implantação e gestão das Redes e Centrais de negócios.

Justificativa: Neste modelo de negócio, as relações são colaborativas e não hierárquicas como nas empresas com controle acionário. A geração de riquezas através do compartilhamento de recursos exige um processo criterioso de seleção de parceiros e de preparação de lideranças para operar com os desafios do associativismo.

 

5. Entendendo a gestão das Centrais de Negócios

Objetivo: Contribuir, com base em vivências práticas, para a construção de um modelo de gestão capaz de gerar ganhos competitivos e resultados superiores através da cooperação, visando manter a atratividade junto aos associados e fornecedores.

Justificativa: As Redes e Centrais de Negócios são modelos complexos, pois reúnem um conjuntos de empresas juridicamente independentes que, agrupadas em uma única estrutura e operando coletivamente, formam um nova organização tão ou mais importante que as próprias empresas envolvidas. Conheça as diferenças entre o método de gestão e o processo decisório das Redes e Centrais de Negócios e das Sociedades Mercantis com Fins Lucrativos, e saiba como desenvolver a capacidade de articulação e de relacionamento para liderar parceiros e gerenciar interesses divergentes.

 

6. Como administrar o relacionamento com os associados

Objetivo: Analisar a relação e o quanto o desenvolvimento das Redes e Centrais de Negócios são impactadas pelo ciclo de vidas das empresas associadas e de seus proprietários.

Justificativa: Assim como todos os organismos nascem, crescem, envelhecem e morrem, este conceito também se aplica as organizações empresariais. As Redes e Centrais de Negócios são compostas por empresas dirigidas por empreendedores com diferentes estilos gerenciais e níveis de desenvolvimento pessoal e profissional. Para obter eficiência e escala, as redes precisam encontrar o equilíbrio certo de uma parceria mutuamente responsável para agirem em bloco em busca do mesmo objetivo. Para tanto, são criados mecanismos de coordenação e alguns processos operacionais são transferidos voluntariamente para as Centrais de Negócios. Porém, no associativismo a adesão é voluntária e depende do grau de comprometimento dos associados - que está diretamente relacionado com o ciclo de vida pessoal e profissional.

 

Formatos e carga horária:

Palestras e Talk Shows – 1h30 – 2 horas

Workshop – 3 a 4 horas

A diferença entre as palestras e os workshops está no tempo dedicado a cada conteúdo e no estilo de apresentação.

Liderança e Gerenciamento

Administrar organizações públicas, privadas ou sem fins de lucro exigem do líder habilidades e atitudes diferentes. Enquanto que nas organizações tradicionais, de estrutura hierárquica, o conceito de liderança está vinculado a dimensão carismática, auto suficiência e a iniciativa pessoal do líder, nas  associações as exigências vão além, envolvem também a capacidade de articular, conectar, agregar e fortalecer o coletividade.  De qualquer formar, por trás de qualquer organização capaz de produzir resultados excepcionais há equipes comandadas por lideranças de alto desempenho.

 

1. Como aumentar a capacidade execução da sua equipe

Boas ideias e investimentos não faltam, mas os resultados seguem insuficientes. Esse é o dilema de muitas empresas, que seguem gastando tempo, dinheiro e muita energia em projetos que não geram os resultados almejados. E isso por falhas na execução. Parece simples, mas o compromisso de fazer bem feito é uma tarefa árdua e complexa. Nesta palestra será apresentada a Fórmula da Execução para aumentar a capacidade de entregar resultados para o seu negócio.

2. Como enfrentar o maior tombo de vendas da década

Frente ao cenário de retração de vendas, gerado pela queda no consumo e na oferta de crédito e agravado pela crise política e falta de confiança que se abate sobre os consumidores, os empresários são desafiados a inovar para manter a competitividade dos seus negócios. Inspirado na afirmação de Charles Robert Darwin que diz "não é o mais forte que sobrevive, nem o mais inteligente, mas o que melhor se adapta às mudanças", o palestrante estimula os participantes a terem ideias que identifiquem oportunidades internas e externas a fim de enfrentar o maior tombo de vendas da década. Nesta palestra, será demonstrado como desenvolver estratégias inovadoras focadas nas necessidades do público alvo, mantendo os pés no chão e ajustando a estrutura de custos por meio método Fazer o Básico Bem Feito.

 

3. Desafios da gestão de organizações sem fins de lucro

Dezenas de pessoas exercem a liderança de forma voluntária, assumindo a direção de associações representativas, redes e centrais de negócios, fundações e mantenedoras com muita boa vontade mas sem conhecimento pleno dos desafios desta função.  O papel e as implicações na vida do dirigente, as diferenças entre os tipos de organização, como gerenciar voluntários e profissionais, as fontes e instrumentos de poder, a transparência e participação democrática no processo decisório serão os temas desta palestra.

 

Formatos e carga horária:

Palestras e Talk Shows – 1:30 – 2:00 horas

Workshop – 3 a 4 horas

A diferença entre as palestras e os workshops está no tempo dedicado a cada conteúdo e no estilo de apresentação.