10 jun

Tudo sobre voluntariado: uma escola para a vida!

Uma pesquisa da Fundação Itaú, divulgada em 2014, mostra que 16,4 milhões de brasileiros realizam algum tipo de trabalho para ajudar o próximo sem receber qualquer pagamento por isto.

Infelizmente, o número é baixo frente à população brasileira e em relação aos problemas que enfrentamos diariamente nas nossas cidades, bairros, na escola dos nossos filhos e até mesmo na rua onde moramos.

Mas por que tanta gente ignora o voluntariado?

Colocar-se a disposição para contribuir na solução dos problemas da comunidade onde estamos inseridos e estar atento às necessidades das pessoas próximas além de ser um exercício de cidadania, contribui para desenvolver o sentimento de pertencimento e de responsabilidade social.

Certamente muitos irão se perguntar: o que eu ganho com isto?

Infelizmente no Brasil temos a cultura do paternalismo estatal. Parte da população acha que o Estado é responsável por resolver os seus problemas ou que elas precisam ser remuneradas por tudo que fazem.

Ao permanecermos inertes, demandas comunitárias simples, que poderiam ser facilmente resolvidas através do trabalho colaborativo, se perpetuam.

Enquanto exercermos o papel de “crítico de poltrona ou engenheiro das obras prontas”, mantendo o foco em nós mesmos, cultivando a mesquinhez, a omissão e o egoísmo, grandes transformações deixaram de acontecer.

Quando o cidadão compreender que ele é capaz e também responsável por transformar a sua realidade, o voluntariado será um movimento em alta.

Não espere ser convidado, apresente-se e contribua para melhorar a qualidade de vida da sua comunidade, e principalmente a sua.

Ao se envolver com as causas coletivas você terá a oportunidade de exercitar a liderança, de colocar seus talentos a serviço da transformação da sua vida e muitas outras pessoas.

Liderança no voluntariado

Ao se envolver com as causas coletivas você terá a oportunidade de exercitar a liderança, colocar seus talentos a serviço da transformação da sua vida e de outras pessoas.

Segundo Dienstmann “exercer a liderança no voluntariado possui peculiaridades específicas, pois fomos educados numa sociedade hierárquica, tanto na família, quanto na escola e no trabalho”.

Enquanto isto, o voluntário se mobiliza e se engaja espontaneamente nos projetos propostos pelas lideranças se ele se identificar com a causa e com o grupo. Em função destas especificidades, a Associação Internacional de Lions Clubes e o Distrito Lions LD-2 investem na formação de instrutores e dirigentes.

O consultor Adriano Dienstmann, além de instrutor certificado e presidente do Lions Clube Novo Hamburgo Terceiro Milênio, é coordenador do Instituto de Formação de Lideranças, que está em sua sétima edição.

Assista abaixo a síntese da palestre “Liderança Servidora nos Lions Clubes”  apresentada pelo consultor Adriano Dienstmann.

 

Nenhum Comentário

Assuntos Relacionados

Comentários